Mural de vídeos: «Refugiados de Idomeni»


«A vida em Idomeni era muito ruim, na verdade, não era vida. […] Não havia acomodação, a comida era muito ruim. Não havia vida.»

O pequeno vilarejo de Idomeni, localizado na fronteira da Grécia com a Macedônia, era uma comunidade de aproximadamente 150 moradores, que viviam basicamente da agricultura. No entanto, com a guerra civil síria e outros conflitos globais, o local virou um ponto crucial na rota de fuga dos refugiados para a Europa. Assim, Idomeni passou do anonimato para alvo da imprensa internacional, especialmente após o fechamento das fronteiras aos então transeúntes, o que o tornou um do... Leia mais

«Anarco. Gay. Um hino à matéria.»


Hubert Fichte foi um autor de interesses bem variados, que giravam sobretudo em torno de sua própria situação e de suas obsessões – tendo crescido como meio-judeu, homem gay na Alemanha pós-fascista, ele amava as culturas africanas e afrodiaspóricas, e via ainda assim a impossibilidade de superar as limitações da colonialidade, das formas de conhecimento estabelecidas da antropologia e da etnologia e da política supostamente antirracista. Fichte se interessava pela resistência sem violência, pela luta política e pelo turismo, sobretudo o turismo sexual.

O seu Explosão é o volume VII de A história da s... Leia mais

Crack para além do senso comum


Errantes entre os horrores persecutórios da noia, homens e mulheres, menores e maiores de idade, entregam-se pelos mais variados motivos à experiência do crack, nas ruas dos principais centros urbanos brasileiros, no quarto dos fundos depois da rotina de trabalho ou estudo, no meio da mata ou esquinas dos recantos interioranos, em ambientes confortáveis criados para o consumo, dos becos abarrotados aos cômodos vazios de grandes mansões.

A mídia e o senso comum, longe de auxiliarem no combate ao crack, pesam ainda mais sobre as vidas de mais de 350 mil pessoas só no estado de São Paulo. Via de regra,... Leia mais

Até que grau a vida precisa da história?

Por André Itaparica, tradutor.


Para que História? Essa é a pergunta que o então jovem professor de filologia da Universidade da Basileia, Friedrich Nietzsche, procura responder em seu terceiro livro publicado, Sobre a utilidade e a desvantagem da história para vida (1874), importante obra que ganha agora uma nova tradução, direto do alemão, com introdução e notas.

Refletindo sobre o caráter fortemente historiográfico das ciências humanas de sua época, Nietzsche acaba por escrever um profundo ensaio sobre a necessidade que o homem possui de ... Leia mais

Você já ouviu falar de Gilka Machado?


Quantos nomes femininos são colocados em destaque na literatura brasileira? Clarice Lispector, Cecília Meireles, Cora Coralina, Hilda Hilst, Rachel de Queiroz e Lygia Fagundes Teles tiveram devido reconhecimento, mas existe ainda um leque amplo de outras mulheres extraordinárias cujas obras permaneceram obscuras — seja pela época em que despontaram (os exemplos aqui citados são, afora Cecília Meireles, escritoras da segunda metade do século XX), seja pelo assunto do qual falavam em suas produções. No caso de Gilka Machado, o problema foi duplo.

Gilka nasceu em 1893 na periferia do Rio de... Leia mais

“A terra uma só” e seus diversos caminhos

Em 11 de maio (quinta-feira), aconteceu na Livraria da Vila, em São Paulo, o evento de lançamento de Yvyrupa – A terra uma só, escrito por Timóteo Verá Tupã Popyguá, liderança Guarani. O título integra a Coleção Mundo Indígena da Editora Hedra, que apresenta um apanhado de mitos ameríndios e indígenas de diferentes etnias, divididos entre sete livros. Em belas edições projetadas graficamente para impressão em técnica risograph, os livros levam uma identidade visual marcante ... Leia mais

O surgimento da psicanálise nos bastidores

Viena, 1902. A cultura europeia havia começado a vivenciar uma nova era. Literatura, música, arquitetura, lógica e pintura desenvolviam-se em novas vertentes mais modernas, que viriam a influenciar as artes no decorrer de todo o século. Arthur Schnitzler, Arnold Schönberg, Johannes Brahms, Gustav Klimt e Hans Kelsen são alguns dos (muitos) destaques desse período. Suas obras, atemporais, são estudadas e admiradas até hoje. Nesse cenário de inovações, Freud, cujas ideias ainda não haviam encontrado aceitação pela comunidade científica, sentiu a necessidade de encontrar interlocutores par... Leia mais

O “Manual inútil” na Carta Capital

O Manual inútil da televisão e outros bichos curiosos, lançado em novembro de 2016 pela Hedra, reúne as mais diversas histórias que o jornalista Paulo Henrique Amorim construiu durante sua carreira como repórter televisivo junto a todo o tipo de figuras midiáticas. Os episódios listados — envolvendo personagens como Tom Jobim, Lula, Pelé, Madonna, Martinho da Vila, Roberto Marinho, Marilyn Monroe, Dilma Rousseff, José Serra, Collor, Ana Hickmann, Galvão Bueno, Princesa Diana, Fidel Castro, Cid Moreira, Pedro Bial, W... Leia mais

A linguagem e seu voo

No dia 7 de setembro deste ano foi inaugurada a 32ª Bienal de Arte de São Paulo, sob o título Incerteza viva. Em tempos de impactos ambientais, instabilidade econômica e política, distribuição injusta de recursos naturais e de migração global, talvez seja preciso desvincular a incerteza do medo, diz o release oficial sobre o nome dado à exposição.

A tentativa de remediar a experiência — no sentido de normalizá-la, como a vacina da verdade descrita por Roland Barthes — vem para que o desconforto geral se torne um pouco mais palatável e a incerteza com a qual precisamos conviver possa nos apresentar mais solu... Leia mais

O Islã (também) é aqui

Por Karla Lima, autora de Descobrindo o Islã no Brasil.


“O Islã é a religião que mais cresce no mundo” afirmam, orgulhosos, os muçulmanos. “O Islã é a religião que mais cresce no mundo” exclamam, assustados, os que nela só enxergam violência. “O Islã é mesmo a religião que mais cresce no mundo?”, perguntei-me – e também: Quem disse? Cresce quanto? Cresce onde? E cresce por quê? Afinal, do que estamos falando quando falamos em Islã?

Doutrinariamente, estamos falando de onze itens, dos quais cinco são práticas (proc... Leia mais